LIVRO DE VISITAS - ASSINE POR FAVOR

domingo, 21 de julho de 2013

A INFLUÊNCIA ROSACRUCIANA, HERMÉTICA E ALQUIMISTA NO GRAU 18° DO REAA

As Lojas Capitulares fecham com o Grau 18°, de Soberano Príncipe Rosa-Cruz, resumindo a integração de três grandes tradições doa antigos mistérios: Cavalaria (representada pelos Templários), da Alquimia[1], e da Gnose (da mais pura tradição Hebraica).

Todas estas tradições foram condensadas em uma síntese do pensamento rosacruciano que inspirou decisivamente a elaboração da Doutrina Maçônica, pelo menos naquilo que ela contêm de Esoterismo.

Afirma ANATALINO (2007) que os “Rosa-cruzes”, como instituição, não existiu antes do século XIX. As fraternidades atuais que se denominam rosacrucianos nada têm a ver com o grupo de pensadores que, entre 1614 e 1616, provocaram comoção na Europa pelo lançamento de alguns trabalhos de conteúdo misterioso e hermético[2].

Ainda COSTA (2010) esclarece:

Supostamente, o conteúdo do ritual tem muito poucos elementos “rosa-cruzes” óbvios – nenhuma referência a Christian Rosenkreuz ou à Casa do Espírito Santo, ou até à fraternidade R.C. Comentaristas maçônicos acadêmicos se acostumaram a concluir que as palavras Rose (“Rosa”) e Croix (“Cruz”) são puramente acidentais e não há como inferir nenhuma influência rosa-cruz. Essa crítica não faz sentido dentro do contexto real da Maçonaria da metade do século XVIII, em que os mitos logo perderam sua especificidade, sendo reduzidos a lições morais e éticas.
As lições morais da Rose-Croix permanecem as virtudes cristãs da Fé, Esperança e Amor – aprendidas por meio de uma jornada simbólica empreendida pelo “cavaleiro maçom” em potencial a um local no Oriente, onde um mistério alquímico da primeira ordem é representado – a saber, a crucificação de Cristo em Jerusalém: “A Pedra Cúbica que emana sangue e água”, como o ritual vividamente declara.
É bem possível que o escritor do ritual estivesse ciente do simples misticismo cristão dos textos pós-Fama de Andreae, embora o sabor do ritual sugira com mais força sensibilidades mais católicas que espirituais protestantes. O ritual não está preocupado com a mitologia de Christian Rosenkreuz, apenas com o potencial iconográfico da rosa e da cruz. Essa imagem é combinada com a do pelicano alimentando suas crias com o próprio sangue, um claro símbolo de Cristo e Seu amor salvador.[3]

Esses trabalhos (rosacrucianos) foram produzidos pelo alquimista Johann Valentin Andréas[4], pioneiro do grupo de pensadores rosacrucianos que está na origem da Maçonaria Especulativa. Refletiam estes trabalhos, as questões políticas da época, envolvendo as lutas religiosas da Reforma Protestante, como também as disputas dinásticas que perduraram na Europa por muitos séculos.

Apesar da Filosofia Rosa-Cruz, com instituição, não teve identidade própria antes do fim do século XIX, parece também claro que sua filosofia foi introduzida na Maçonaria Especulativa a parti do início do século XVII.

De acordo com os manifestos Rosa-Cruzes, iria ocorrer uma transformação no mundo, da política e do pensamento, em razão da aplicação dos “segredos” que eles possuíam. Uma noa época de liberdade espiritual começaria para a humanidade, em que ela seria liberada dos grilhões que lhes impuser a Igreja Católica (note-se claramente a disputa entre a Igreja Católica e a Reforma Protestante[5]). Segundo seus pensadores, o homem voltaria fazer parte da natureza, com ela convivendo harmoniosamente, em uma relação de participação e colaboração, não como predador e dominador, como pregavam os racionalistas. Sem dúvida este pensamento filosófico, desembocou na Renasença[6].

Esse “novo homem” renasceria desta nova era. Engajado socialmente numa ideia de progresso e espiritualmente preparado para professar uma nova religião, sem dogmas, baseada na virtude da igualdade, da fraternidade, da liberdade e da justiça. Alguma relação com a maçonaria???.

Nessa época, o pensamento esotérico disseminou-se pela Europa, como consequência da fundação de escolas filosóficas dedicadas ao estudo pitagórico, o neo-platonismo, do pensamento gnóstico e hermético. Segundo ANATALINO (2007) é deste movimento que surgiram pensadores como Marcilio Ficcino[7], mais tarde, Tommaso Campanella[8] e Giordano Bruno[9], pais do chamado espiritualismo (precisamos lembrar que Giordano Bruno, na obra "Il Candelaio" (1582), regista a sua convicção da possibilidade de conversar com os mortos) que posteriormente teria influenciado a Maçonaria Moderna. BAIGENT (2006) faz esta dedução, a partir da similitude de temas e a forma de desenvolvê-los, utilizando principalmente, o método iniciático[10].

Interessante é recordar que, em 1738, o papa Clemente XII[11] emitiu Bula[12] condenando e excomungando os maçons como “inimigos de Roma”. Nunca se soube realmente a razão desta decisão Papal, na medida em que os Maçons da época eram constituídos de católicos-jacobitas, como eram chamados os “stuarts” que desenvolveram o Rito Escocês. Possivelmente, especulam alguns autores, esta reação deva ter sido como consequência em uma possível relação entre a Maçonaria e os rosacrucianos, declaradamente anticatólicos. Posteriormente, a própria Igreja Católica redimiu-se do erro praticado pelo Papa Clemente XII, com a Epístola de João XXIII, na qual o Papa pede desculpas aos maçons pelas perseguições perpetradas pela Igreja. A maçonaria jamais se permitiu às heresias alegadas, nem as tradições rosacrucianas também o fizeram, apesar de ter alguma simpatia pela reforma protestante.

O grau 18, Soberano Príncipe Rosa Cruz, pelo próprio título, já indica a sua origem. Parece razoável imaginar que o grau foi introduzido na Maçonaria por influencia daqueles maçons rosacrucianos que se abrigaram na nova Ordem, não só para fugir da Inquisição (como vemos acima), mas para dar continuidade ao projeto político representado pela Reforma Protestante, que veio a questionar o “status quo” da Igreja Católica, imiscuída não apenas nas questões do espírito e da alma do povo, mas principalmente das questões de Estado.

Segundo COSTA (2010), “a composição original do grau do “Soberano Príncipe Rose-Croix [“Rosa-Cruz”], Cavaleiro do Pelicano e da Águia”, há muito foi atribuída a Jean-Baptiste Willermoz (1730-1824). De acordo com A.C.F. Jackson (Rose Croix, A History of the Ancient & Accepted Rite for England and Wales. Lewis Masonic, 1980) [“Rosa-Cruz, Uma História do Rito Antigo e Aceito na Inglaterra e no País de Gales”], o título apareceu pela primeira vez em 1761, como uma deferência aos detentores do grau do Cavaleiro da Águia”

É bem possível que o escritor do ritual estivesse ciente do simples misticismo cristão dos textos pós-Fama de Andreae, embora o sabor do ritual sugira com mais força sensibilidades mais católicas que espirituais protestantes. O ritual não está preocupado com a mitologia de Christian Rosenkreuz, apenas com o potencial iconográfico da rosa e da cruz. Essa imagem é combinada com a do pelicano alimentando suas crias com o próprio sangue, um claro símbolo de Cristo e Seu amor salvador.
O ritual foi provavelmente criado como uma maneira poderosamente conveniente de afirmar a identidade cristã dentro da Maçonaria (que estava sob ameaça), embora retenha uma atmosfera de sugestivo mistério maçônico. Que melhor fonte para o tema cristão em um cenário esotérico simpatizante à “casa oculta” ou Loja ideal da Maçonaria do que um Rosacrucianismo de fervor cristão, celestial e fragrantemente místico em espírito. No clímax do rito, por exemplo, o futuro “aprimorado” cavaleiro maçom encontra uma escada (associada com Jacó e Beth-el, o lugar de Deus) que conduz a um altar adornado com rosas”[13].

Como contraponto, anota ANATALINO (2007) citando o historiador Jouast[14], o Grau 18 seria essencialmente católico e sacerdotal, introduzido na Maçonaria pelos jesuítas, como forma de contrabalançar o poder dos protestantes. O próprio Inácio de Loyola[15], segundo esta fonte, em virtude de seu pensamento e atitudes místicas, o coloca próximo dos irmãos da Rosa-Cruz.

Os membros desta confraria rosacruciana, tinham como obrigação a pratica da caridade com os pobres e a proteção dos oprimidos contra as injustiças praticadas pelos poderosos. Em seus manifestos, vê-se claramente, princípios da Cavalaria e do pensamento hermético.

Vemos estes postulados do pensamento rosacrucianos, no Grau 18, na simbologia do reencontro da Palavra Perdida, e pelo reconhecimento das três virtudes cardeais, fé, esperança e caridade. Evoca-se também a tradição messiânica (típica da religião católica) na qual o Soberano Príncipe Rosa-Cruz se reveste do filho primogênito do Grande Arquiteto do Universo, para realizar neste plano terreno, um trabalho de resgatar o gênero humano.

As virtudes cardeais são aprendidas por meio de uma jornada simbólica empreendida pelo “cavaleiro maçom” em potencial a um local no Oriente, onde um mistério alquímico da primeira ordem é representado – a saber, a crucificação de Cristo em Jerusalém: “A Pedra Cúbica que emana sangue e água”, como o ritual vividamente declara.

Alias, toda a decoração da Loja evoca a tradição cristã, da morte e ressureição de Cristo e sua missão redentora. Desta maneira, de certa forma, repete-se “cristicamente” a lenda de Hiram.

Além da forte influencia rosacruciana, como pudemos detalhar anteriormente, pode-se observar a presença da tradição hermética (e cavalariana), mas também alquimista: a arte de separar o espírito da matéria, para fins de obter uma quintessência da alma, cuja ação podia ser comparada à de Cristo sobre a humanidade[16].

Interessante citação de ROGERS (1994), em relação à influência Hermética e Alquímica, está na publicação de um célebre tratado de Alquimia, em 1691, denominado A Nova Luz Química[17], onde o autor fala de uma sociedade de filósofos herméticos, na qual se transmitira as verdades da Arte de Hermes, e que seria formada por homens vindos de todas as partes do mundo, com a única condição de serem livres e de bons costumes, e que mantivessem os deveres do silêncio, fidelidade, afeto e fraternidade entre os irmãos. Como vemos, este escrito, seria fonte da filosofia maçônica.

O grau 18 é inteiramente crístico como pudemos observar no capítulo anterior. Com forte influência rosacruciana, hermética e alquímica. Com uma lenda baseada em momentos de grandes lutas na Europa ocidental, principalmente na Inglaterra e na França, onde se degladiavam cristãos e protestantes em busca de uma nova Ordem, envolvendo não apenas a população em geral, mas principalmente o Clero e as Monarquias, bem como as sociedades filosóficas que surgiram (ou fizeram surgir) a Renascença, tirando o mundo das trevas da Idade Média.

Alguns elementos são percebidos na Loja do Grau 18°:
(SÓ PARA INICIADOS NO GRAU - PEDIR POR E MAIL O ARTIGO COMPLETO)

Cada um destes elementos ou alegorias tem profundidade filosófica, que não abordaremos neste trabalho. Entretanto é necessário dizer, para um perfeito entendimento do que se passa neste Grau, que estamos representando as últimas horas de Jesus na terra, antes de ser delatado, crucificado e morto, repetindo o que ocorrera na Lenda de Hiram, de forma a que, a partir de sua ressureição (ou imortalidade) nasça o Novo Homem, mais puro, mais virtuoso e voltado para o Divino.

Sendo um Grau eminentemente crístico, toda a simbologia, bem como sua liturgia e ritualística (que por força do segredo não vamos abordar) , é profundamente evocativa de motivos cristãos. O compasso,  esquadro, o tríplice triangulo, uma rosa mística dentro da cruz de ébano reina em sua imponente beleza. Três colunas resplandecentes, com a triologia virtuosa (fé, esperança e caridade), embelezam o ambiente[18].

O ponto alto do ritual se encontra na Ceia, como descreve DACAMINO (1999)[19]:
“A Ceia do Grau 18 é a mesma "Santa Ceia", ou comunhão ou Missa dos cristãos Constitui uma Cerimônia que, embora evoque a Santa Ceia realizada por Jesus, foge a qualquer semelhança." 
(SÓ PARA INICIADOS NO GRAU - PEDIR POR E MAIL O ARTIGO COMPLETO)

         ALMEIDA (2000) afirma que a Maçonaria enlaçou a lembrança de Jesus à antiga associação dos IIr.˙. Rosa-Cruzes. Esses IIr.˙. foram intrépidos naturalistas que sob as aparências mais ou menos sinceras da Alquimia, promoveram pesquisas científicas por meio da observação. Sob pretexto da medicina, percorreram durante dois séculos todo o Ocidente da Europa, recolhendo elementos que outros deveriam fazer frutificar, par refundir o método científico. Inúmeros livros foram escritos pró e contra eles. É uma história que deveremos estudar, pois a sua história se funde com a história da Maçonaria. E nós os reconhecemos como nossos antepassados.

            Assim como os Rosa-Cruzes foram ardorosos livres pensadores do século XV e XVI e os audaciosos defensores das ciências naturais puras, assim JESUS foi o livre pensador da moral.

           Ninguém, como ele, pregou resolutamente a moral Ideal, fundada sobre os sentimentos, a única possível naquele tempo. Ninguém feriu com mais vigor e sucesso a hipocrisia e a tirania sacerdotal da época.

        A doutrina de Jesus Cristo repousa na intuição de Deus, como providência, e da Alma Humana como sendo imortal. A antiga maçonaria sempre proclamou os mesmos princípios mas com um corretivo: LIBERDADE DE ESPIRITO E OBRIGAÇÃO DO TRABALHO, isto é, com indagação da VERDADE.

     Identificando-se com a obra dos Rosa-Cruzes, a Maçonaria proclamou o estudo da Natureza, como base de todo o progresso, porém, com este aditivo: A NATUREZA NÃO ESTÁ SOMENTE NA MATÉRIA MAS, TAMBÉM, NAS LEIS MORAIS, cuja sede é a Consciência e cuja realidade está demonstrada pela formação da sociedade humana.

      De uma forma geral, entendemos que a Fraternidade Rosa-Cruz tem uma forte ligação com os conhecimentos do Oriente e também com os Templários que buscaram no Oriente parte de seus ensinamentos. Não podemos confundir Maçonaria com Rosacrucianismo e nem com a tradição dos Templários mas, indiretamente, incorporamos parte de seus ensinamentos o que nos torna parciais herdeiros dessas duas grandes correntes místico-filosóficas fortemente[20].




[1]  A Alquimia foi praticada na Mesopotâmia, Egito Antigo, Mundo Islâmico, América Latina Pré-Histórica, Egito, Coreia, China, Grécia Clássica, Kiev e Europa, e mesmo entre os Aborígenes.
[2]- Anatalino, João – Conhecendo a Arte Real – A Maçonaria e suas Influencias Históricas e Filosóficas, São Paulo, Ed. Madras, 2007, p.305
[3] - http://tresjanelas.blogspot.com.br/2010/06/o-18-grau-maconico-por-wagner-veneziani.html
[4] - Johannes Valentinus Andreae, ou Johann Valentin Andreas (1586-1654), foi um teólogo alemão, apontado por muitos como o principal autor dos manifestos rosacruzes Fama Fraternitatis RC, Confessio Fraternitatis RC e Núpcias Químicas de Christian Rozenkreuz Ano 1459, e da expressão "Ordem Rosacruz" (ou Fraternidade Rosacruz).
[5] - A Reforma Protestante foi um movimento reformista cristão iniciado no início do século XVI por Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica Romana, propondo uma reforma no catolicismo romano. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas. Lutero foi apoiado por vários religiosos e governantes europeus provocando uma revolução religiosa, iniciada na Alemanha, estendendo-se pela Suíça, França, Países Baixos, Reino Unido, Escandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria. A resposta da Igreja Católica Romana foi o movimento conhecido como Contra-Reforma ou Reforma Católica, iniciada no Concílio de Trento. O resultado da Reforma Protestante foi a divisão da chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e os reformados ou protestantes, originando o Protestantismo.
[6] - Renascimento, Renascença ou Renascentismo são os termos usados para identificar o período da História da Europa aproximadamente entre fins do século XIV e meados do século XVI. O período foi marcado por transformações em muitas áreas da vida humana, que assinalam o final da Idade Média e o início da Idade Moderna. Apesar de estas transformações serem bem evidentes na cultura, sociedade, economia, política e religião, caracterizando a transição do feudalismo para o capitalismo e significando uma ruptura com as estruturas medievais, o termo é mais comumente empregado para descrever seus efeitos nas artes, na filosofia e nas ciências. Chamou-se "Renascimento" em virtude da redescoberta e revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista.
[7] - Marsílio Ficino (em italiano Marsilio Ficino; Figline Valdarno, província de Florença, 19 de outubro de 1433 — Careggi, Florença, 1° de outubro de 1499), filósofo italiano, é o maior representante do Humanismo florentino.  Juntamente com Giovanni Pico della Mirandola, está na origem dos grandes sistemas de pensamento renascentistas e da filosofia do século XVII. Traduziu obras de Platão e difundiu suas ideias.
[8] - Giovanni Domenico Campanella (Stignano, 5 de Setembro de 1568 — Paris, 21 de Maio de 1639) foi um filósofo renascentista italiano, poeta e teólogo dominicano. Campanella deixou uma obra vasta que abrange vários tópicos: gramática, retórica, filosofia, teologia, política, medicina etc.. Segundo Campanella, as ciências tratam das coisas como elas são, cabendo à filosofia (e especialmente à metafísica) explicar as coisas em seu sentido mais profundo.
[9] - Giordano Bruno (Nola, Reino de Nápoles, 1548 — Roma, Campo de Fiori, 17 de fevereiro de 1600) foi um teólogo, filósofo, escritor e frade dominicano italiano condenado à morte na fogueira pela Inquisição romana (Congregação da Sacra, Romana e Universal Inquisição do Santo Ofício) por heresia. É também referido como Bruno de Nola ou Nolano. Bruno filiou-se ao hermetismo, baseado em escrituras egípcias, da época de Moisés. Entre outras referências, esse movimento utilizava os ensinamentos atribuídos ao deus egípcio Thoth, cujo equivalente grego era Hermes (daí hermetismo), conhecido pelos seguidores como Hermes Trimegistus. Bruno teria abraçado a teoria de Copérnico porque ela se encaixava bem na ideia egípcia de um universo centrado no sol. Deus seria a força criadora perfeita que forma o mundo e que seria imanente a ele. Bruno defendia a crença nos poderes humanos extraordinários, e enfrentou abertamente a Igreja Católica e seus preceitos.
[10] - BAIGENT, Michel e LEIGH, Richard – O Templo e a Loja, São Paulo, Ed. Masdras, 2006.
[11] - Clemente XII nascido Lorenzo Corsini (Florença, 7 de Abril de 1652 — Roma, 6 de Fevereiro de 1740) foi Papa de 7 de abril de 1730 até à data da sua morte.
[12] - “IN EMINENTI APOSTOLATUS SPECULA -  BULA PAPAL DE CLEMENTE XII SOBRE A MAÇONARIA
CLEMENTE, bispo, servo dos servos de Deus a todos os fiéis, Saudações e Bênçãos Apostólicas.(...) Agora, chegou a Nossos ouvidos, e o tema geral deixou claro, que certas Sociedades, Companhias, Assembleias, Reuniões, Congregações ou Convenções chamadas popularmente de Liberi Muratori ou Franco-Maçons ou por outros nomes, de acordo com as várias línguas, estão se difundindo e crescendo diariamente em força; e que homens de quaisquer religiões ou seitas, satisfeito com a aparência de probidade natural, estão reunidos, de acordo com seus estatutos e leis estabelecidas por eles, através de um rigoroso e inquebrantável vínculo que os obriga, tanto por um juramento sobre a Bíblia Sagrada quanto por uma variedade de severos castigos, a um inviolável silêncio sobre tudo o que eles fazem em segredo em conjunto. Mas é parte da natureza do crime trair a si própria e para mostrar ao seu próprio clamor. Assim, estas citadas Sociedades ou Convenções têm causado na mente dos fiéis a maior suspeita, e todos os homens prudentes e íntegros tem apresentado o mesmo juízo sobre eles como sendo pervertidos e depravados. Pois se eles não estão fazendo mal, então não deveriam ter um ódio tão grande da luz. De fato, este rumor tem crescido a tais proporções que, em vários países estas sociedades têm sido proibidas pelas autoridades civis como sendo contra a segurança pública, e por algum tempo pareceu terem sido prudentes eliminados. (...) Deste modo, Nós ordenamos precisamente, em virtude da santa obediência, que todos os fiéis de qualquer estado, grau, condição, ordem, dignidade ou preeminência, seja esta clerical ou laica, secular ou regular, mesmo aqueles que têm direito a menção específica e individual, sob qualquer pretexto ou por qualquer motivo, devam ousar ou presumir o ingresso, propagar ou apoiar estas sociedades dos citados Liberi Muratori ou Franco-maçons, ou de qualquer outra forma como sejam chamados, recebê-los em suas casas ou habitações ou escondê-los, associar-se a eles, juntar-se a eles, estar presente com eles ou dar-lhes permissão para se reunirem em outros locais, para auxiliá-los de qualquer forma, dar-lhes, de forma alguma, aconselhamento, apoio ou incentivo, quer abertamente ou em segredo, direta ou indiretamente, sobre os seus próprios ou através de terceiros; nem a exortar outros ou dizer a outros, incitar ou persuadir a serem inscritos em tais sociedades ou a serem contados entre o seu número, ou apresentar ou a ajudá-los de qualquer forma; devem todos (os fiéis) permanecerem totalmente à parte de tais Sociedades, Companhias, Assembléias, Reuniões, Congregações ou Convenções, sob pena de excomunhão para todas as pessoas acima mencionadas, apoiadas por qualquer manifestação, ou qualquer declaração necessária, e a partir da qual ninguém poderá obter o benefício da absolvição, mesmo na hora da morte, salvo através de Nós mesmos ou o Pontífice Romano da época.
[13] - http://tresjanelas.blogspot.com.br/2010/06/o-18-grau-maconico-por-wagner-veneziani.html
[14] - A.G. Jouast, Histoire du Grand Orient de France, Paris, Éditions Télètes, 1999.
[15] - Santo Inácio de Loyola ou Loiola, nascido Íñigo López (Azpeitia, 31 de maio de 1491 — Roma, 31 de julho de 1556) foi o fundador da Companhia de Jesus, cujos membros são conhecidos como os jesuítas, uma ordem religiosa católica romana, que teve grande importância na Reforma Católica. Atualmente a Companhia de Jesus é a maior ordem religiosa católica no mundo. Para maiores informações, ver livro “O Papa Negro” de Ernesto Mezzabotta, íntegra no link: http://xa.yimg.com/kq/groups/16689647/406317547/name/O%20Papa%20Negro%20-%20Ernesto%20Mezzabota.pdf
[16] - ROGER, Bernard, Descobrindo a Alquimia, Círculo do Livro, 1994.
[17] - Escrito por Alexandre Sethon, O Cosmopolita.
[18]Anatalino, João – Conhecendo a Arte Real – A Maçonaria e suas Influencias Históricas e Filosóficas, São Paulo, Ed. Madras, 2007
[19] - DA CAMINO, Rizzado – O Rito Escocês e Aceito – Loja de Perfeição do 1° ao 33°, São Paulo, Editora Masdras, 1999.
[20] - ALMEIDA, Euclides Lacerda e DIAS, Paulo G. – Sobre o Grau Rosa Cruz na Maçonaria, Artigo, 2000.

6 comentários:

Célia disse...

Como não tem comentários irmãos?
Ao Genaro meu amigo:Que saudades...de ficar noites inteiras lendo seus textos.estive fora deste blogger,por vários motivos.Estou de volta e agora verão sempre meus comentários.
Não importa descobri as influências,justamente somos todos praticantes de sobreviver com as diferenças.Que a Paz reine...ABRAÇO FRATERNAL...CÉLIA ALVES VIEIRA.JACARÉ PAGUÁ RJ


Consistório disse...

Parabéns pelo texto. Está muito bem desenvolvido e bem embasado.
Visite o nosso blog:
http://blogdoconsistorio1.blogspot.com.br/

Fraternalmente,

MILTON ANTÔNIO GRAÇA DO SACRAMENTO
Comandante-em-Chefe do Consistório Nº 1.

Guilherme Queiroz disse...

Parabéns pelo brilhante texto! Doravante, estarei sempre acompanhando seus escritos, por sinal,de muito conteúdo. Da mesma forma que a Célia, fiquei grande parte da noite lendo os textos. Continue escrevendo! Shalom. TFA. guilherme queiroz

JR disse...

Jurais e prometeis, por vossa livre vontade, por sua honra e vossa fé, em presença de GADU e de todos os maçons espalhados pela superficie da Terra, NUNCA REVELAR os mistérios da Maçonaria que vos forem confiados, senão em loja regularmente constituída, NUNCA ESCREVER, GRAVAR, TRAÇAR, IMPRIMIR OU EMPREGAR QUAISQUER OUTROS MEIOS.
Lembre do seu Juramento IIRR.'.

genaro figoli disse...

Se me chama de Irm é porque deves ser iniciado. Se fores deves saber que muito mais grave é o fato de teres reproduzido aqui, juramento que consta no rit.'., que este sim, é restrito aos Inic.'.Por outro lado acho que não deves ter lido o artigo pois onde há qualquer análise (porque revelação não faço), já há observação de que o artigo completo somente através de e mail com a identificação do solicitante. Aliás me chama a atençao de teres escolhido o anonimato para escrever o comentário. Ainda te proponho que leias o artigo e veras que as referências são fartas a livros e artigos já disponíveis ao público em geral. À muito tempo meu dito Irm.'. a Maçonaria deixou de ser secreta, passando a ser discreta. Pensa nisso meu Irm.'. e que o GADU te ilumine e guarde.

genaro figoli disse...

Se me chama de Irm é porque deves ser iniciado. Se fores deves saber que muito mais grave é o fato de teres reproduzido aqui, juramento que consta no rit.'., que este sim, é restrito aos Inic.'.Por outro lado acho que não deves ter lido o artigo pois onde há qualquer análise (porque revelação não faço), já há observação de que o artigo completo somente através de e mail com a identificação do solicitante. Aliás me chama a atençao de teres escolhido o anonimato para escrever o comentário. Ainda te proponho que leias o artigo e veras que as referências são fartas a livros e artigos já disponíveis ao público em geral. À muito tempo meu dito Irm.'. a Maçonaria deixou de ser secreta, passando a ser discreta. Pensa nisso meu Irm.'. e que o GADU te ilumine e guarde.